Os três pilares do Design Thinking

Os três pilares do Design Thinking

O Design Thinking é uma abordagem para resolução de problemas com foco na inovação.


 

A partir da obtenção de dados, análise de conhecimento e propostas de soluções, o Design Thinking coloca as pessoas no centro da concepção dos projetos não apenas como objeto de estudo, mas sim como co-criadores da solução, assumindo o papel de verdadeiros especialistas capazes de nos mostrar as lacunas a serem preenchidas.
Segundo Tim Brown, CEO da IDEO, “Design Thinking é uma abordagem que utiliza a amplitude de pensamento do designer e métodos para resolução de problemas, para atender às necessidades das pessoas de um modo tecnologicamente viável e comercialmente viável. Em outras palavras, o pensamento centrado no ser humano é a inovação.
A proposta do Design Thinking é sustentada por três pilares essenciais, que nos ajudam a compreender os problemas, lidar com os obstáculos, analisar e experimentar novas soluções. Veja a seguir.

Empatia: o primeiro e principal pilar do Design Thinking

 
A empatia é a capacidade de compreender o sentimento ou reação da outra pessoa imaginando-se nas mesmas circunstâncias. É essencial não apenas nos colocarmos no lugar de outro ser humano, mas também entendermos as suas experiências, caminhos vividos e contextos sociais que compõe o leque de comportamentos e decisões – afinal, as pessoas escrevem sua própria história, porém sob condições dadas pela sociedade. Somente dessa maneira podemos nos aprofundar nas necessidades, desejos e limitações das pessoas para adquirir essa visão multidisciplinar.

Colaboração: co-criação como soma de experiências

 
Colaboração significa agir com outrem para a obtenção de determinado resultado, ou ter participação em obra coletiva. No Design Thinking (e em todo lugar) não existe essa coisa do “gênio solitário” dotado de inspiração divina criando do nada soluções mágicas. É impossível que uma única pessoa tenha tido as melhores experiências e insights, sob todas as circunstâncias, para um tipo de problema específico. Toda ideia inovadora de fato é fruto da maturação de diferentes perspectivas compartilhadas, somadas e multiplicadas em uma solução comum.

Experimentação: o aprendizado pela prática

 
Experimentação é o ato de observar e analisar uma hipótese em determinado contexto ou circunstância, ou seja, levar a nossa criatividade do papel para a prática do mundo real, com pessoas em diferentes contextos, colhendo feedbacks e transformando as ideias em soluções o quanto antes. A inovação está diretamente ligada a criação de soluções inéditas, que resolvam os problemas de maneira eficaz e eficiente, não pensadas até então. Experimentar nos permitirá descobrir essas novas formas evitando grandes erros, a medida que vamos compreendendo os pequenos erros e consertando constantemente.

Empatia, colaboração e experimentação fazem parte do seu dia a dia de trabalho?

Fonte: UX Blog

Sem comentários

Publicar Comentário

4 × um =